Turbina

Turbina

A turbina de um turboalimentador normalmente é composta por um rotor e a carcaça. A turbina converte o gás de escape do motor em energia mecânica para acionar o compressor. O gás de escape, que é restringido pela área da seção transversal de vazão da turbina, resulta em queda de pressão e temperatura entre a admissão e a saída. Esta queda de pressão é convertida pela turbina em energia cinética para mover o rotor da turbina.

Há dois tipos principais de turbinas: radial e axial. No tipo axial, a vazão pelo rotor é efetuada apenas na direção axial. Nas turbinas radiais, a vazão de gás é centrípeta, ou seja, em uma direção radial de fora para dentro, e a descarga de gás é efetuada na direção axial.

Em rotores com diâmetro até 160 mm são usadas somente turbinas radiais. Isso corresponde a uma potência do motor de aproximadamente 1000 kW por turboalimentador. A partir de 300 mm são usadas somente turbinas axiais. Entre esses dois valores, ambas variações são possíveis.

Por isso, em motores de veículos de passageiros e veículos comerciais, praticamente só há turbinas radiais. Nas quantidades maiores aqui existentes, a turbina radial é também menos cara na fabricação do que a turbina axial. Como a turbina radial é a mais aceita, a seguinte descrição limita-se à sua função.

Na voluta de turbinas radiais ou centrípetas, a pressão dos gases de escape é convertida em energia cinética e estes na circunferência do rotor são direcionados, a velocidade constante, para o rotor da turbina. A conversão da pressão em energia cinética é efetuada nas turbinas de gás num anel de guia com pás. Nos turboalimentadores por gás de escape conseguiu-se realizar esta conversão na carcaça da turbina sem anel de guia. Assim é melhorado o comportamento de vazão da turbina e, ao mesmo tempo, a redução da rentabilidade é mínima. A conversão de energia cinética em energia rotativa para o eixo ocorre no rotor da turbina. O rotor está projetado para que quase toda energia cinética seja convertida quando o gás chegar à saída do rotor.

MANUTENÇÃO

Antes de instalar o turbo novo, verificar quais os componentes podem ter causado a quebra do turbo usado.

  • Mangueiras ressecadas.
  • Filtro de ar saturado.
  • Óleo de motor velho remontado sem viscosidade.
  • Quebra de anéis e sede de válvula.
  • Respiro do motor entupido.
  • Bomba de óleo, (verificar pressão da bomba de óleo usando manômetro manual).

CUIDADOS

Existem modelos que já saem de fábrica equipados com turbocompressor. Nestes casos, o proprietário não precisa se preocupar com nenhum detalhe adicional, pois o motor do veículo já foi desenvolvido para aguentar a potência gerada pela turbina bem como altas rotações. Quando a turbina é colocada num carro que não foi projetado para possuir esse componente, diversos cuidados devem ser tomados para evitar problemas no motor.

Por esse motivo, quando colocar turbo no seu carro procure uma oficina especializada. E antes de mandar fazer o serviço, pesquise e entre em contato com proprietários de veículos iguais ao seu igual ao seu para se informar sobre possíveis problemas ou incompatibilidades.

PROBLEMAS COMUNS 

Na maioria dos casos já apurados em algumas oficinas um único defeito é a causa de todos os outros.

O que o mecânico ainda não familiarizou com a injeção diesel é que não pode ocorrer falhas no sistema de injeção de maneira alguma, qualquer falha por menor que seja, é o bastante para o motor não funcionar perfeitamente.

No caso do sistema de turbo, na maioria das vezes nem é problema eletrônico e sim mecânico, como um simples vazamento de ar na mangueira do purificador, junta do coletor de escape queimada, uma interrupção de vácuo na mangueira do Wastegate ou um filtro de ar obstruído.

SOLUÇÃO DE PROBLEMAS

Recomendações:

  • Retirar o intercooler e limpar a parte interna.
  • Pré-lubrificar o turbo girando o eixo manualmente.
  • Substituir os filtros de ar por novos.
  • Ao instalar o turbo não acelerar o veículo. Deixe o motor funcionando de 10 a 20 segundos pois o eixo do turbo gira livremente sob o óleo.
  • Não usar colar nas juntas do turbo.
  • Mantenha estes procedimentos sempre e não terá problemas com garantia de turbinas por um bom tempo. Mas lembre-se, todo componente automotivo tem vida útil.

 

OUTRAS FOTOS