Válvula Termostática

O seu princípio de funcionamento é bastante simples e conhecido entre os “Guerreiros das Oficinas”. Através de um mecanismo dotado de uma cera expansiva, ela interrompe, de forma gradativa, a comunicação entre o motor e o radiador, responsável pelo resfriamento do líquido de arrefecimento. Ou seja: quando o motor se encontra frio, a válvula bloqueia totalmente a passagem entre o motor e o radiador, impedindo que o líquido que se encontra dentro do bloco do motor chegue ao radiador.

Nesse ponto, é possível citar uma das suas funções secundárias mais importantes: permitir o rápido aquecimento do motor. Motores frios, principalmente os “flex” e/ou alimentados por injeções eletrônicas, tendem a exigir misturas mais ricas para apresentar bom funcionamento, aumentando o consumo e a emissão de poluentes. Ou seja, quanto mais rápido o motor atingir a sua temperatura normal de funcionamento, melhor. Motores cujas válvulas termostáticas são retiradas tendem a demorar muito para aquecer, agravando esses problemas.

 À medida que absorve o calor gerado pelas câmaras de combustão, o líquido se aquece. Após atingir uma temperatura mínima, a válvula termostática, com quem tem contato direto, vai se abrindo gradativamente, permitindo a troca de fluidos entre o radiador (mais frio) e o bloco do motor (mais quente). O resultado desta “mistura” é um líquido a uma temperatura constante e controlada no interior do bloco do motor.

MANUTENÇÃO

Para que não aconteça desgaste, é necessária a manutenção preventiva, uma revisão no sistema de arrefecimento a cada 30 mil km ou menos, caso o veículo seja usado em condições mais severas. Devemos lembrar que se o veículo passa por muitos congestionamentos diariamente, esse deve ser considerado também como uso severo, pois acaba exigindo ainda mais do motor do veículo.

A válvula termostática é um componente bastante robusto. No entanto, apresenta vida útil. É um componente que deve ser substituído periodicamente, dentro dos critérios estipulados pelo fabricante do veículo.

A sua durabilidade depende diretamente do meio onde está trabalhando, ou seja, o líquido de arrefecimento. Líquidos impregnados de sujeira (ferrugem) podem provocar travamento do componente. Aditivos incorretos podem atacar o componente diminuindo drasticamente a sua vida útil. Logo, manter o sistema de arrefecimento limpo e corretamente aditivado é crucial para a manutenção deste imprescindível componente.

CUIDADOS

Em condições normais de funcionamento, a válvula jamais provocará superaquecimento do motor. Motores cujas válvulas termostáticas são retiradas operam com muita variação de temperatura. Isso pode ocasionar, principalmente nos motores mais modernos “flex” e equipados com injeções diretas, problemas relativos a dirigibilidade, consumo de combustível e emissão de poluentes. Sistemas mais sofisticados, dotados de rotinas de diagnóstico mais complexas, podem entrar em modo de emergência e acusar códigos de falhas. O controle da temperatura é tão importante nesses motores que, muitos deles, são equipados com duas válvulas termostáticas. Logo, a remoção deste importante componente não é uma opção.

PROBLEMAS COMUNS

Quando a válvula termostática se encontra totalmente aberta, permite uma troca de líquidos suficiente para manter o bloco do motor dentro dos limites estabelecidos pelo fabricante. Nessa condição, superaquecimentos só poderão ocorrer em três situações bem distintas: 

  1. a) O motor do veículo está sobrecarregado ou sendo utilizado de forma incorreta (veículo sendo conduzido com marchas elevadas em subidas de serras).
  2. b) Problemas mecânicos no motor ou no sistema de arrefecimento. Por exemplo:
  • Falta de líquido de arrefecimento (vazamentos);
  • Galerias de arrefecimento do bloco do motor entupidas;
  • Radiador entupido externa ou internamente;
  • Falta de pressurização no sistema de arrefecimento;
  • Correia da bomba d’água frouxa ou quebrada;
  • Defeito na bomba d’água;
  • Avanço de ignição muito atrasado;
  • Válvulas do motor ajustadas com folga inferior às recomendadas (presas);
  • Motor alimentado com mistura muito pobre;
  • Junta de cabeçote queimada;
  • Bicos injetores gotejando (no caso de motores diesel);
  • Falha na ventilação do radiador (eletroventilador não funciona, correia do ventilador quebrada ou frouxa, acoplamento viscoso do ventilador defeituoso, ventilador quebrado ou inadequado para o motor).

 

  1. c) Válvula termostática defeituosa ou selecionada incorretamente para o veículo em questão.

 SOLUÇÃO DE PROBLEMAS

Se a temperatura for muito acima da ideal os componentes de força do motor podem não suportar os picos de temperatura e fundir literalmente.
Então seja no Polo Sul, no Polo Norte, no Alasca, no deserto do Atacama ou Saara, a válvula termostática é indispensável.

 

OUTRAS FOTOS