Carros com motores V8 mais famosos do Brasil

6 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Como muitos amantes automotivos devem saber, a motorização é a alma do veículo. De nada adianta ter uma bela aparência e opcionais se aquilo que estiver abaixo do capô não corresponder à altura.

Existem diversos tipos de motores e de funcionamentos, porém existem alguns que merecem destaque especial por sua história, potência e fama.

No início do século passado, surgiram as primeiras fusões de blocos de motores em formato de V com cilindros para se chegar a maior torque e potência. Porém, apenas em 1932 surge verdadeiramente o primeiro motor V8, com os 8 cilindros fundidos no mesmo bloco, pelas mãos da Ford. Esse foi o início de uma história de muito sucesso e força.

Esses motores dominaram o globo com sua imponência, tornando-se queridinhos dos amantes de velocidade e adrenalina. No Brasil, houve diversos modelos com esse tipo de motorização, alguns com muito destaque e outros nem tanto assim.

Por isso, separamos especialmente para você os incríveis carros com motores V8 mais famosos do Brasil. Confira:

Dodge Dart

Um típico valente de filmes norte-americanos, a fera que habitava o interior do Dodge Dart é considerada por muitos o maior motor V8 já produzido em nosso país.

Surgido em 1969 e advindo dos caminhões da marca, possuía um torque de levantar voo: 41,5 mkgf a 2.400 rpm e 198 cv a 4.400 rpm, que empurravam as quase 1,5 toneladas que compunham o modelo.

Para a época, atingia velocidades incomparáveis, sendo considerado o carro brasileiro mais veloz. Fazia de 0 a 100 km em apenas 12 segundos. Foi o desejo de consumo de muitos brasileiros por quase 20 anos de existência.

Outros carros da mesma montadora também possuíam motores V8 notáveis e valem a pena serem mencionados aqui, como por exemplo, o Charger, o Magnum e o Le Baron. São todos parte do mesmo projeto, utilizando variações sob a mesma carroceria, porém estilizada.

Uma grande desvantagem dessa linha de carros foi o consumo, que beirava os 4,5 km por litro na cidade e 7 km por litro na estrada. Além disso, tinha um taque razoavelmente pequeno, o que tornava a sua autonomia abominável.

Ford Maverick

Apesar de não ser a principal motorização desse modelo da Ford, o motor V8 da versão 5.0 GT é válida de menção.

Com sua notável aparência de muscle car americano, chama a atenção em qualquer lugar por onde passa e acabou virando item cobiçado por colecionadores de todos os cantos do país.

Para se ter noção da valorização do modelo, em qualquer pesquisa rápida feita na internet, você só encontrará o carro, que já possui em torno de 46 anos, na faixa dos R$ 100 mil.

O motor produzido pela Ford para o Maverick era excepcional: potência de 199 hp e 4.950 cilindradas cúbicas, somente com câmbio manual de quatro marchas e acionamento no assoalho.

Sua aceleração ia de 0 a 100 quilômetros por hora em, aproximadamente, 11 segundos, algo extremamente notável para um veículo nos anos 1970. Pecava um pouco no consumo, que atingia os 4 km por litro na cidade e 6 km por litro na estrada.

A produção dessa máquina acabou em 1979, com aproximadamente 10.500 unidades fabricadas.

Ford Galaxie e Landau

As famosas “espaçonaves” dos anos 1970 e 1980 nunca deixaram a desejar na sua motorização e charme. Famosos por seu tamanho imponente, possuíam um motor à altura para levar com elegância o peso do veículo e seus ocupantes.

Equipados de série com V8, apresentava em sua versão 292 propulsor com 4.785 centímetros cúbicos, 190 cavalos a 4.400 rpm e 37,1 kgfm a 2.400 rpm.

A linha foi a primeira fabricada quase que inteiramente no Brasil, com aproximadamente 98% de nacionalização.

Tanto as versões tradicionais como a posterior Landau, considerada por muitos a “linha de luxo”, por possuir mais opcionais foram um grande sucesso no país, mas assim como outros carros com grandes motores com pouca economia, acabaram sofrendo com as crises dos combustíveis.

Seu consumo aproximado era de 5 km por litro na cidade e 7 km por litro na estrada

Simca

Os primeiros motores V8 presentes em nosso país vieram por meio da linha de veículos dessa marca. Oriundos de base Ford, tinham em torno de 84 cavalos de potência funcionamento um tanto quanto ultrapassado até mesmo para a época de 1959, quando foram lançados.

Os modelos produzidos no Brasil foram o Chambord, o queridinho da fabricante, Rallye, Presidence, Alvorada, Tufão e Jangada. A marca encerrou as operações em território nacional após ser adquirida pela Chrysler.

Caminhonetes Dodge

A mais recente integrante da lista se diferencia, inclusive, no tamanho e tipo de veículo. A Dodge Dakota parou de ser fabricada em nosso país em meados de 2001, mas marca a história por possuir um motor V8 similar aos mesmos utilizados nos modelos dos anos 1970, como o Dart.

A diferença pode ser encontrada nas inovações tecnológicas dos anos 2000, como injeção eletrônica.

A picape tem em torno de 232 cavalos embaixo do capô, com torque máximo de 40 kgfm a 3.200 rotações por minuto. Isso a torna razoavelmente potente, pois, apesar da robustez, não é tão pesada quanto outros modelos.

Atinge de 0 a 100 em aproximadamente 9,8 segundos. Em relação ao consumo, estima-se que rode 4,4 km por litro em vias urbanas e 8 km por litro em rodovias, o que garante uma autonomia de 300 a 600 km.

Antes da Dakota, porém, a Dodge já havia investido no mercado de picapes com motor V8 no cenário nacional. É mais do que válido mencionar a clássica D100 que rivalizava com a Ford F-100.

Foram fabricadas aproximadamente 2.100 unidades, tornando-a extremamente rara, pois a produção não foi o sucesso que a montadora esperava. Sua cilindrada total era de 5.212 cm3 isso gerava um torque de 41,5 kgfm a 2.400 rotações por minuto.

No que diz respeito ao consumo, a D100 fazia em média 6,2 km por litro na estrada.

Caso você tenha gostado do nosso artigo e queira saber mais sobre automóveis, não deixe de acessar o nosso site e conferir mais conteúdos incríveis!

Posts relacionados

Deixe um comentário