Entenda o funcionamento de um motor de carro

4 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Muitos motoristas não conhecem o que existe por baixo do capô dos veículos. Mas compreender o funcionamento do motor do automóvel é fundamental tanto para conversar com um mecânico e saber o que exatamente precisa ser feito em caso de problemas, quanto para que o próprio motorista possa realizar pequenos reparos.

Funcionamento do motor em 4 tempos

Quando o carro está parado o primeiro passo para ligar é acionar a chave da ignição, certo? Você já parou para pensar como essa ação pode ser responsável pelo ronco que logo em seguida surge da frente do veículo? É que a chave aciona a bateria e envia eletricidade para o motor, possibilitando a faísca geradora da combustão.

A combustão ocorre somente com dois elementos presentes: o combustível e o oxigênio. O ar entra no automóvel pelo filtro de ar, responsável por reter as impurezas e garantir maior eficiência, e segue para o cilindro. Já o combustível é injetado nos cilindros pelos bicos de injeção.

Atualmente os motores são construídos para funcionarem em ciclos de 4 tempos, que são: (a) admissão, (b) compressão, (c) explosão e (d) escape. O tempo (a) refere-se ao momento no qual a mistura de combustível e ar é injetada no cilindro e o pistão move-se para baixo, trazendo a mistura para dentro da câmara.

No tempo (b) as válvulas fecham-se para isolar a área e o pistão movimenta-se para cima, comprimindo a mistura líquida e fria que, após a queima, torna-se quente e transforma-se em vapor. No tempo (c) a liberação da faísca pela vela gera a combustão e libera energia e calor. A explosão empurra o pistão para baixo e ao mesmo tempo movimenta a biela e o virabrequim, acionando o volante do motor e o sistema de transmissão.

Por fim, no tempo (d) a válvula de exaustão do cilindro abre e os gases resultantes da combustão são expulsos do motor, liberando espaço para um novo ciclo de queima.

Peças e manutenção do motor

O motor é dividido em três partes: a superior é chamada de cabeçote e contém as válvulas, a câmara de explosão e as velas de ignição; a intermediária é o bloco que reúne os cilindros; e a inferior é o cárter, que funciona como um reservatório de óleo.

O número de cilindros e a disposição deles varia de acordo com o modelo (e a proposta) do veículo. O mais comum utilizado principalmente nos carros populares é o motor de 4 cilindros em linha, mas a tendência da nova geração é apenas 3. Quanto mais cilindros o motor tiver, mais potente ele se torna e maior é o seu consumo.

De toda a energia que é produzida pela queima do combustível apenas uma parte é convertida em energia mecânica e a outra parte dissipa-se em forma de calor. Por isso que o motor esquenta e há um sistema de arrefecimento para evitar o superaquecimento. Enquanto antigamente esse sistema funcionava com água, a maioria dos automóveis modernos utilizam fluidos de arrefecimento.

Há ainda dois filtros no motor, um que retira as impurezas do óleo e outro para o ar (o filtro de combustível e o de cabine não ficam no motor). Cada cilindro tem uma vela, que produz as faíscas para a combustão do álcool/gasolina com o oxigênio, e um bico injetor, que insere o álcool/gasolina dentro do cilindro.

Válvulas de admissão do motor

As válvulas de admissão e de escape abrem e fecham para permitir a entrada de combustível e ar ou a saída de gases. Os pistões são peças internas dos cilindros que se movimentam para cima e para baixo durante os 4 ciclos do motor. A biela conecta cada pistão ao virabrequim, o qual transforma o movimento dos pistões (para cima e para baixo) em rotação em torno de um eixo, responsável por movimentar as rodas do automóvel. O volante do motor é o componente que conecta o motor ao sistema de transmissão.

Todas essas peças devem ser revisadas de acordo com a recomendação do manual do proprietário, e é pertinente também checar o nível do óleo do motor e do fluido de arrefecimento, a limpeza dos filtros (ar e óleo) e do bico injetor, e as correias. Carros flex também devem prestar atenção no nível do “tanquinho” e mantê-lo sempre cheio com gasolina da melhor qualidade possível.

Posts relacionados

Deixe um comentário