Mercado de veículos seminovos durante a Pandemia.

6 minutos para ler
Powered by Rock Convert

O mercado nacional de venda de veículos seminovos para passeio vem sentindo uma queda acentuada desde que a pandemia do novo coronavírus chegou ao Brasil. Com as lojas fechadas, cancelamentos de feirões e o Detran parado, além do aumento da taxa de desemprego, houve impacto nas negociações presenciais que costumam movimentar este setor, no qual a experiência do usuário é tão importante.

Segundo a Fenauto (Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Automotores), na última semana de março a queda observada foi de mais de 90% nas vendas de veículos seminovos, se comparado com o restante do mesmo mês, que vinha tendo um saldo muito positivo.

A maior implicação para esse índice, certamente, foi o distanciamento social e o fechamento das lojas. Os revendedores relatam que o mercado vinha aquecido, mas que o saldo positivo das primeiras semanas de março foi camuflado pela queda da última semana, quando a quarentena já estava em vigor.

Agora, com as recomendações para que as pessoas fiquem em casa sendo estendidas pelo menos até meados de maio no Brasil, a expectativa é que o mercado passe por uma retração ainda maior. Quando as atividades do comércio voltarem ao normal, contudo a expectativa é que haja retomada de crescimento, especialmente na categoria de seminovos, que devem ser uma alternativa para as pessoas evitarem o uso de transportes coletivos, por exemplo.

Alternativas para superar a crise

As revendedoras de veículos seminovos estão tentando buscar alternativas para não precisarem fechar as lojas, uma vez que os clientes estão se afastando por entenderem que o momento é de crise e de evitar novos investimentos. Segundo dados do mercado, uma a cada 10 lojas está tentando aumentar o caixa oferecendo o estoque abaixo do valor de mercado, como forma de criar dinheiro rapidamente para manter a estrutura girando.

Por outro lado, aproximadamente 50% dos lojistas optaram por interromper os negócios e aguardar a quarentena terminar sem gerar custos neste período. Essa decisão, no entanto, tem previsão de durar apenas dois meses, pois além deste prazo muitos negócios não teriam condições de seguir de forma rentável, sem buscar auxílio nos bancos.

De um modo geral, a forma mais vantajosa de se manter ativo na crise é buscar auxílio da internet – um meio que já se demonstrava importante para a compra e venda de veículos e que ganha ainda mais relevância neste período de quarentena. Para quem busca trocar de automóvel, por exemplo, há inúmeras ofertas com valores abaixo de mercado disponíveis em sites especializados, com a possibilidade de negociação direto com o proprietário ou taxas de financiamentos atrativas com bancos ou lojistas.

Compra online

Muitas pessoas não desistiram das compras mesmo neste período de pandemia, justamente pela necessidade ainda maior de deslocamento próprio, evitando aglomerações em meios de transporte ou através do uso de carros compartilhados, como táxi ou motoristas de aplicativos. Neste sentido, o mercado online de carros vem sendo a opção mais segura para quem busca a aquisição imediata. E os lojistas, atentos a isso, têm investido no segmento.

Como a maioria das lojas estão fechadas, algumas concessionárias têm optado por oferecer aos interessados na compra o test-drive de contato reduzido. Ou seja, o carro é levado até a casa do possível comprador por um funcionário devidamente protegido com máscara, luvas e álcool em gel à disposição. O motorista, então, deixa o veículo aos cuidados da pessoa que fará o teste para que ela possa avaliar o veículo e depois fazer sua escolha, retornando o carro para a concessionária com o mesmo cuidado de higienização.

Já outras lojas fazem a exibição do veículo por meio de vídeos feitos pelos próprios vendedores. É possível ainda interagir com os funcionários da loja, que mostram ao vivo os detalhes do automóvel para quem tiver interesse.

Se de um lado temos o mercado se reinventando, do outro vemos que a burocracia envolvida na compra e venda de carros também está tentando se adaptar ao momento. Por exemplo, hoje temos mais de 13 estados brasileiros e o Distrito Federal com sistemas digitais de reconhecimento de firma disponíveis. Isso facilita as transações comerciais, pois exclui a necessidade de comparecimento presencial a um cartório, o que permite que os negócios do setor automotivo continuem mesmo com o distanciamento social.

Outra medida foi tomada pelo Detran, que tem coordenado reuniões virtuais com subsidiárias de todo o país, com o objetivo de simplificar os processos e informatização dos serviços que o departamento presta. Todas as medidas visam facilitar o negócio online e manter o setor aquecido de carros aquecido.

Quanto ao pagamento do veículo, o comprador pode fazer a transação toda online por transferências bancárias, de acordo com o acordo estabelecido com o vendedor. Para facilitar, os bancos também possuem simuladores digitais para que o cliente tenha condições de simular as condições que melhor se encaixam no seu orçamento.

Quanto ao envio de documentos, como nota fiscal ou certificado de registro do veículo, eles também podem ser compartilhados via app do banco. Além de facilitar os processos, as iniciativas digitais mantém as pessoas seguras em casa.

Expectativa

Muitos lojistas acreditam que, após a pandemia, o mercado de venda de veículos seminovos tende a crescer significativamente. A expectativa é que com as restrições de viagens e os riscos da exposição ao vírus – por exemplo em aglomerações em rodoviárias e aeroportos -, muitas pessoas devem optar pela locomoção em carro particular, seja no dia a dia de trabalho ou nos planos para feriados, férias ou lazer em geral.

A expectativa positiva também se deve ao fato de o Detran retomar, após o pico da pandemia, suas atividades. Ou seja, a transferência de propriedade dos veículos e toda documentação necessária para as transações comerciais do mercado devem ser normalizadas, facilitando os processos de compra e venda que ficaram atrasados ou comprometidos neste período.

Vale lembrar que em tempos normais, o processo junto ao Detran, que corresponde à transferência de documentos, deve ser realizado em até 30 dias corridos a partir do registro da venda. Caso a transferência não seja feita neste período, o comprador é penalizado com multa pelo descumprimento da obrigação. Porém, durante o período de quarentena, a aplicação de multas está suspensa.

Posts relacionados

Deixe um comentário